terça-feira, 14 de outubro de 2008

CHEGANDO AO RIO

Ontem, por acaso, encontrei novamente meu amigo José Vicente e ao conversar com ele dei boas risadas.

Ele, com aquele olhar ingênuo de aplicador na Bolsa de Valores de Xangai, me perguntava sobre o que a Marta e o PT de São Paulo estavam querendo saber da vida pessoal do Kassab. Ele nunca tinha percebido qualquer atitude fofoqueira por parte da sexóloga, ex-prefeita e ex-ministra do turismo: relaxa e goza. Será que o Partido dos Trabalhadores estaria insinuando que o Kassab é gay, só porque mora com mamãe, é solteiro e não tem filhos?

Não estaria o partido revelando um certo preconceito? José Vicente com um sorriso de canto sugere que só pode ser obra de alguns marqueteiros tucanos que estariam infiltrados na campanha petista e que Marta não saberia, a exemplo de outros correligionários, nada a respeito disso; que ela tinha entendido que a pergunta se referia apenas a melhor maneira de informar o eleitor de São Paulo que não conhece bem o prefeito que governa a cidade há dois anos e pico, para poder comparar com ela que é um pouco mais rodada.

O Zé começou também a falar das plásticas da prefeita, mas de repente mudou de assunto e passou a me fazer perguntas sobre a eleição no Rio de Janeiro, sabendo que eu vivo na cidade. Perguntou se era verdade que o Presidente da República e o Governador do Estado tinham resolvido intervir na eleição do Rio e partir para o tudo ou nada contra o ex-petista e agora inimigo Fernando Gabeira. Será o Severino?

Ele tinha ouvido falar que o Wladimir Palmeira, sim aquele mesmo que foi trocado pelo Embaixador dos EUA, estava apoiando o ex-tucano Eduardo Paes. Que também a Jandira tinha feito o mesmo porque o PSDB do Fernando Henrique tinha privatizado a saúde e como o PSDB está apoiando o Gabeira, logo, portanto, simplesmente, o PC do B devia apoiar a coligação de “esquerda” que está com o Paes. Francamente ele só podia estar de sacanagem, fazendo todas estas perguntas para mim.

Quando eu tentei falar alguma coisa, ele me disse: -- deixa pra lá eu estou mesmo é preocupado com a crise econômica.

-- Xará! Quando esperto (expert) tá se dando mal, imagine então o que está acontecendo aos recém chegados.